Musica tradicional de Moçambique       Danças Moçambicanas

 

DANÇAS MOÇAMBICANAS(Mapiko,Tufo,N`Sope,Nacula,N`Sipripuiti,etc....)

A dança,foi desde os príncipio remotos uma necessidade espontânea,seja como expressão natural da vibração física,seja como meio de exteriorizar estas forças interiores da vida que impressionam e influenciam o ambiente.Elas colocam os corpos em movimento e em vibração,o que significa uma espécie de comunhão com as forças vitais,e com tudo o que veneram,temem e,além disso,une e reforça a comunidade.Dançar é uma necessidade que liga os vivos aos espiritos dos atepassados mortos e que facilita a comunhão com eles.A Danças nos seus locais de origem,tem como base cerimoniais,de ritos de puberdade,circuncisão,investidura de iniciados em poderes superiores,danças por ocasião de um casamento,e sobretudo em todas as cerimónias de exorcismo.

O centro importante dos movimentos da dança moçambicana é o tronco e a vibração ágil de todos os musculos da bacia e dos rins.Os movimentos das pernas servem ao transporte do corpo numa maneira ritmica da passos e saltos,mas com menos significado.Ainda menos importância têm os movimentos dos braços e das mãos,que simplesmente funcionam como contrabalanço do equilibrio,salvo em algumas danças(tufo e Damba).A dança moçambicana está profundamente enraizada na terra.É licido afirmar que na sua espontaneidade,são inseparaveis da música que tem geralmente como núcleo instrumental um ou mais tambores,uma base orquestral de timbilas,chocalhos,palmas,escudos batendo no chão,flauras,instrumentos de corda e ainda o canto.

 

MAPIKO ( tradição Makonde) - PROVÍNCIA DE CABO DELGADO

Na dança MAPIKO são usadas mascaras que dividem-se em dois tipos:FACIAL(so cobre o rosto) ou CAPACETE( que cobre toda a cabeça).As variedades existentes dentro de cada tipo de mascara que é feita de madeira,realça o facto dessas mascaras estarem intimamente ligadas a dança MAPIKO que tem um significado religioso e cerimonial ligado ao ritual de iniciação masculina.O conjunto máscara e dança,formam uma coreografia,muito ritmica e cadenciada transmitida pelo dançarino que se apresenta vestido com trajes convicentes coberto de objectos sonóros(chocalhos)sendo acompanhado por vários percursionistas,criadores dos seus próprios tambores que são feitos de madeira e cobertos de pele de animal,e que posteriormente afinados pelo calor do fogo,produzindo sons médio-agudos.Esta dança tem como pano de fundo um grupo de cantores(homens e mulheres).È de realçar que a dança MAPIKO é sem margem de dúvida,uma junção de musica,dança,escultura e teatro,que vai representando gradualmente o imaginário relativo à existencia do mundo sobrenatural e à convição na ligação lógica entre o dançarino principal e as suas crenças.A dança MAPIKO dá aos artistas MAKONDES a capacidade e o poder de recriar na arte os diferentes modos de estar na vida espiritual,usando a força da sua história e do seu quotidiano,transmitindo em cada dança as suas convicções.Posso afirmar por experiência própria que o Povo MAKONDE e a dança MAPIKO são muito especiais e inéditos.

 

DANÇA  TUFO (Província de Nampula e Cabo Delgado)

Esta dança é introduzida em Moçambique atravéz do Sultanato de Angoche que usava as ilhas do arquiélago de Angoche,mais concretamente a ilha CATAMOIO como sua fortaleza,afim de fazer o comercio de especiarias e de escravos (o povo Koti e o povo Macua).Essas populações era transportada para essas ilhas adjacentes e depois vendidas a outros comerciantes.Muitos ficavam nas ilhas onde eram inseridos nas tropas Arabes e outros serviam de empregados,etc...Com a vivencia entre culturas deu-se a fusão cultural entre Arabes e Kotis e Povo Macua),nascendo daí a dança Tufo, originaria do nome Ad-duff (Arabe),Adufo(português)que significa instrumentos musicais de percursão. Com o passar do tempo e com as grandes guerras existentes entre os invasores portugueses e os comerciantes Árabes , o povo abreviou o nome e em Makwa ficou o nome definitivo de Tufo.Esta dança foi-se introduzindo para a ilha de Moçambique e espalhando-se por toda a  Costa Norte de Moçambique.Esta dança que é dançada apenas por mulheres rigorosamente seleccionadas,rigorosamente bem trajadas com trajes muito coloridos e enfeitadas com cordões,anéis e pulseiras de ouro ,de cara coberto por MUSSIRO(massa branca e espessa,resultante do friccionamento do caule perfumado da arvore Muciro e uma pedra),entoam cânticos melodiosos de uma linha musical Arabes, em que as letras retratam as suas vidas quotidianas e as belezas do seu habitate.Esta dança é  acompanhada por vários percursionistas na maioria homens e em alguns casos as mulheres, que tocam tambores circulares e esguios de varios tamanhos(batuque Duassi,Phusta,Kadjisa e Khapura) feitos de madeira e cobertos de pele de animal que produzem uma sonoridade agradavel ao ouvido.Em alguns casos é usado o tambor pandeiro  produzindo uma conjunto de ritmos ,fundindo-se entre a sonoridade Arabes e a sonoridade do Povo Bantu,resultando desta forma num ritmo unico a que se deu também o nome de TUFO.

 

DANÇA N´SOPE (complementariedade da dança Tufo)

A dança N´SOPE é uma dança originária da Província de Nampula e compõe parte das danças especificas da tribo Makwa sendo executada só por mulheres e actualmente conhecida por dança da corda,devido ao uso da corda na sua execução.É uma dança de lazer que,inicialmente,praticava-se no periodo de lazer das raparigas,que demonstravam a sua agilidade e talento corporal de forma que fossem apreciadas pelos pretendentes.Ao longo dos tempo esta dança foi introduzida na lista das danças principais com origem no Tufo.Os instrumentos musicais utilizados pelos musicos(homens) onde o tocador principal maneja três tambores um grande e dois médios chamados Chabomba e Mussapata),o segundo tocador toca também três tambores medios(Massapata) e os restantes dois tocadores tocam um tambor grande de som grave de nome Tchuntcho,tendo uma parte oca que serve de caixa de ressonância.,Usa-se tambem um pequeno cilindro de ferro que complementa o ritmo.

Esta dança é executada da seguinte forma:As bailarinas organizam-se fora do centro de execução da dança.Chegadas ao palco colocam-se na zona central do palco formando um meio circulo.A Chefe do grupo num gesto próprio retira a corda e escolhe uma das bailarinas a pegar em uma das pontas de forma a estar esticada.Ao som das primeiras batidas dos tambores vão movimentando a corda em circulo de uma a bater sempre no solo(chão).Cada uma das bailarinas entra para o meio da corda e demonstra de forma agil todas as suas habilidades.A medida que os tambores vão animando o espectáculo todas as bailarinas vão praticando a dança N´Sope demonstrando a cada instante as suas mestrias.    

  

Brevemente outras danças